Tendo um experiência – John Dewey

A seguir, algumas anotações da discussão sobre o conceito de experiência evidenciado na obra de John Dewey no GRIS – UFMG. Tomamos como base o texto “Tendo uma experiência” no livro A Arte como Experiência.

– Escola de Chicago / pragmatismo

– Pensamento como ação modificadora/transformadora do mundo

– Dificuldade na compreensão do texto

– Análise da sociedade da época: transformação dada no fazer

– Como se dá a experiência dos sujeitos

BENJAMIN – Experiência e pobreza: homens desprovidos de experiência ao voltarem da Guerra

– De viver a experiência para consumir a experiência (contexto da sociedade do espetáculo – Guy Debord)

– Ciência: experiência separada do eu – experimento/experimentação

SITUAÇÃO: contexto

– De qual contexto estamos falando? Das situações banais da vida cotidiana?

– Resistência: concentração de experiências passadas

– Texto dividido em 2 partes: 1) conceito de experiência 2) conceito de arte

– Artista: ator e receptor ao mesmo tempo de seu trabalho

– Experiência Estética: sentido de transformação. Ex.: Guernica de Picasso (não é preciso saber todos os símbolos ali envolvidos)

– Não é só por estar em contato com o ambiente que há experiência (Ex.: Pedra rolando)

– Uma experiência: padecimento sobre o sujeito

Delicadeza (Denílson Lopes) – sublime no banal: experiência na comunicação, para além dos meios de comunicação

– Hoje: experiências fragmentadas – ainda temos “uma” experiência?

– Uma experiência colocada no lugar da outra

– “Conclusão” x Consumação

– Reconhecimento x Percepção

– Experiência com e não experiência de

– Documentário: lugar posível para se ter “uma” experiência

– Arte = estética = fazer e padecer

– “Uma” experiência é algo que se experiencia individualmente?

– A experiência depende da situação

– Como pensar a relação entre experiência e acontecemento?

– Possibilidade de se ter “uma” experiência mesmo em meio à fragmentação das experiências

– Pensando a experiência como algo constituidor, onde pessoas buscariam suas experiências hoje?

TEXTOS PARA APROFUNDAR ALGUMAS QUESTÕES:

Experiência Estética e Experiência Mediada

FEATHERSTONE, Mike. A estetização da vida cotidiana. In: Cultura de consumo e pósmodernismo. São Paulo: Studio Nobel, 1995. p. 49-61.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Pequenas crises: experiência estética nos mundos cotidianos. In: GUIMARÃES, César; LEAL, Bruno; MENDONÇA, Carlos. Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p.50-63.

MENDONÇA, Carlos Camargos. Pequenas crises: experiência estética nos mundos cotidianos. In: GUIMARÃES, César; LEAL, Bruno; MENDONÇA, Carlos. Comunicação e experiência estética. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2006. p.103-116.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s